cidadania-cavaco-e-passos-apoiam-alunos-chumbados-na-disciplina

Notícias

Cidadania: Cavaco e Passos apoiam alunos "chumbados" na disciplina

2 min. 01.09.2020

Dois alunos do Agrupamento de Escolas Camilo Castelo Branco que haviam sido reprovados por terem faltado às aulas obrigatórias de Educação para a Cidadania e Desenvolvimento inspiraram a criação de um abaixo-assinado, a favor da vontade dos seus pais, para que não frequentassem estas aulas por motivos de objeção de consciência.

Segundo a notícia do Observador Cavaco Silva e Pedro Passos Coelho são algumas das quase 100 personalidades que subscreveram o documento que agrega consenso, sobretudo, junto da direita conservadora.

Disciplinas como Sexualidade, Igualdade de Género e Interculturalidade estiveram na base da providência cautelar interposta por Artur Mesquita Guimarães, pai de ambos alunos, que aponta ao Estado uma intrusão na educação dos seus filhos.

O secretário de Estado da Educação, em resposta ao documento, salientou que “a componente de Cidadania e Desenvolvimento é obrigatória, não sendo diferente nem de Matemática, nem de História nem de Educação Física” e apelida de "ilegal" a decisão tomada pelo conselho de turma que visava a transição de ano dos dois alunos.

João Costa acrescenta ainda que “quando um aluno não frequenta uma disciplina não pode ser aprovado, mas podem ser aprovados planos de recuperação que não seriam impeditivos da progressão dos alunos. A escola apresentou todos os instrumentos e desencadeou os vários procedimentos normais. Uma coisa é eu poder passar com perspetiva de recuperação, outra é sem frequência da disciplina”, conclui.

O abaixo-assinado, que terá sido elaborado pelos professores da Universidade Católica Manuel Braga da Cruz e Mário Pinto, refere que é “imperativo que as políticas públicas de educação em Portugal respeitem sempre escrupulosamente, neste caso e em todos os demais casos análogos, a prioridade do direito e do dever de as mães e pais escolherem ‘o género de educação a dar aos seus filhos’, como diz, expressamente por estas palavras, a Declaração Universal dos Direitos Humanos“ acrescentando que “o Estado não pode programar a educação e a cultura segundo quaisquer diretrizes filosóficas, estéticas, políticas, ideológicas ou religiosas”.

Outros nomes importantes do PSD e CDS como Bagão Félix e Manuela Ferreira Leite juntaram-se ao manifesto que conta apenas com um subscritor do PS, Sérgio Sousa Pinto.

1 / 0
Auchan 250
Pub - Ulahlah - 250-1

Diário

famatv-logo

Tudo sobre Famalicão no seu e-mail

Subscreva a nossa newsletter
e acompanhe a atualidade famalicense.